Sentado na muralha descanso confortável,
Sem preocupações, apenas observações estáveis.
Para os dois lados existem conflitos,
Existe violência, protestos e gritos,
Mas vejo gestos bonitos!
Dos dois lados!

Se olho pra leste tem cabra da peste brigando,
Tem também gente sorrindo, tem moça mentindo, tem rapaz chorando,
E tem homem safado, e mulher chocada de tanta história e de ser enrolada.
No leste tem gente esperta, tem gente honesta e tem quem não presta!
Lá tem briga, tem paz, tem agonia, tem alegria, lá tem de tudo.
E no oeste?

No Oeste é igual no Leste,
Tem os mesmos cabras da peste!
Tem batuque, tem salva de palmas, tem gente que grita e gente que acalma,
Lá tem espírita, cristão e umbandista, tem candomblecista, judeu e budista,
Tudo gente mista! Tem gente que passa despercebida e tem artista.

Tanto no leste quanto no oeste,
Tem gente que fala que é esquerda e tem gente que fala que é direita,
Não importa!

Só sei que quem divide é um muro que não entorta!
É feito de tijolo, pintado de preto e branco,
É alto que é um encanto e lá estou eu sentado!
Sentado em cima do muro, bem no meio daquela muralha.

Tem povo endiabrado dizendo que sou indeciso,
Povo sem juízo, não tem nada disso.
Eu gosto é de ficar sentado na muralha,
E sabe por quê?
Porque sentado no muro vejo melhor que atrás dele!

 

F.T. Hudson