Conheci um cara que de tudo sabe,

De tudo entende e ninguém o compreende.

Conta muitas histórias,

Diz que nunca mente.

 

Certa vez conseguiu convencer um coelho de que era uma serpente!

Entende?

Eu também não,

Mas ele diz que não mente!

 

Ele é tão convincente que a ele próprio convence!

Acha que de todos os irmãos sempre foi o mais inteligente!

E diz que não mente!

Falou que é tão sentimental, que nem sabe o que sente!

Mas uma coisa ele sabe,

De tudo um pouco ele entende!

 

Entende de carro,

Faz vasos de barro,

Constrói canoa,

Faz bolo, torta e broa,

Mas não fica atoa,

E também não mente!

 

Falaram que esse moço que tudo sabia,

Que nunca mentia, queria ver Deus.

Assim poderia de noite ou de dia,

Ensinar o tal Homem o que ninguém se atreveu.

 

Faria um mundo redondo e profundo,

Que lembraria seu próprio umbigo.

Assim continuaria olhando para baixo,

Não mentiria ou discutiria comigo.

 

F.T. Hudson