O taco está solto,
A madeira descolou.
Foram anos sendo pisado,
Ela não mais suportou.

Muitos sobre ele passaram,
Muita lagrima sobre ele rolou.
Alguns papéis e muito lixo jogaram,
Sobre o taco que hoje soltou.

A madeira já estava desgastada,
Um taco ao lado rachou.
Em um dia muito agitado
O salto do sapato o quebrou.

Solto em meio a outros tacos,
O taco descolado pensou:
“Talvez se eu fosse um telhado alguém veria que quebrou!”

Para o chão são poucos que olham,
Mas quando olham estão sem atenção.
Deve ser por isso que tantos tropeçam,
Esperando do céu uma mão!

Geralmente por pura decepção,
Tem muito taco querendo ser rodapé!
Ficaria no canto e mais alto não teria sobre ele um só pé!
Não importa se estivesse de lado,
Estaria para sempre envernizado,
Livre de pisões e pontapés.
Talvez às vezes fosse pregado,
Mas descolado pelo tempo não é!

F.T. Hudson