Blusinha do Ramones,
Bolsa da Nike,
Iphone nas mãos,
Distribuindo seus likes,
Não sabe quem foram Joey, Dee Dee ou Johnny,
Seu tênis não é gasto e nem sujo como dos Ramones,
Batidas da Beyoncé escapam por seus fones,
Não olha para os lados,
Não enxerga nada além de seu telefone,
Chora sua solidão,
No momento em que perde sua conexão,
Não percebe as pessoas ao lado,
Sua vida é virtual,
Sem bandeiras, sem ideologias que não sejam o consumo,
Não há espera em seu mundo,
Mora na terra do instantâneo,
Embalada a vácuo no metrô,
Espera a abertura da porta para ser ejaculada na multidão,
Caminhará entre milhares sem a percepção,
Nada é real!
Sem amor, sem paixão, sem contato, sem visão,
Sem noção de bem e mal,
Geração de cabeças baixas!
Vivem a observar seus próprios umbigos,
Sem se preocupar com pais, filhos e amigos,
No alto de sua arrogância,
Passam pela vida olhando para o chão,
Focados em suas telas nunca viram o céu,
Como acreditariam em Deus?
E perguntam-se: “Como haveria alguém maior que eu?”
Não esperam pela morte,
Para vida não nasceram,
E por mais inconsequente que pareça antes de nascer morreram!

Felipe Hudson