Hoje acordei meio indecisa,

Não sabia se descia pelo lado esquerdo ou direito da cama,

Não me lembrava de onde havia deixado meu chinelo,

Não sabia nem se dele precisaria,

Não entendi se a noite estava quente ou estava fria,

Estava indecisa entre ir direto ao vaso ou passar na pia,

Não sabia se meu olho abriria ou se aguardaria,

Ouvi um grito:

“Acorda Marina!”

Me esgueirei para a direita,

Pisei no velho pano,

Que tinha nele desenhado um tucano,

Meio desbotado se não me engano!

Escorreguei e caí!

Não me recordo agora quem eu fui ou se existi,

Gostaria apenas de deitar na minha rede,

Mas ela também cedeu!

Que triste fim esse meu,

E eu que nunca escutara que de recalque alguém morreu,

Hoje estou preocupada,

Ou seria aperreada?

Não sei! Só sei que esparramada no chão me sinto confusa!

Talvez quando me levantar troque outra vez de blusa!

Será que depois dessa alguém ainda me ajuda?

Uma troca, algo assim?! Ah to confusa!

F.H.