O álcool,
O hálito,
O tom pálido,
O olhar cálido,
De quem procura uma nova experiência,
De quem anseia por uma essência,
Ou algo que o valha,
Em uma noite onde o frio corta como navalha,
Há de se envolver em calores estranhos,
Em braços que lhe percorrem o corpo durante o banho,
Há de se entregar ao desamor,
De amar mesmo por rancor,
Quem sabe sem amor,
Sem pensar!
Sem sabor!
Pois se pensa desiste de se enroscar em tamanha vulgaridade,
De por facilidade,
Não encontrar um amor de verdade,
Ainda que dure semanas,
Menos que o sofrimento de uma eternidade,
Que resulta no não tentar, não buscar!

Felipe Hudson