Chico é Buarque,
Jô é Soares,
Ambos com carreiras brilhantes,
Ambos conhecidos nos sete mares,
Elogiados, enaltecidos, aclamados,
Resolveram apoiar um dos lados,
E da noite para o dia foram apedrejados.

Em meio a batidas de panelas,
Seus talentos deixados de lado,
De receber financiamento políticos foram acusados,
Mesmo que por meios próprios tenham conseguido seus muitos metros quadrados.

Apenas por ter uma opinião,
Nesse pais torna-se vilão,
Em meio a chuvas de agressões,
Desejam um Brasil nação,
Que seja bom individualmente,
Não existe população.

Na terra de Francisco e José,
Você sabe como é!
Não se pensa diferente das elites,
Se pensar,
Você não mais existe,
Seu talento será questionado,
Assim como sua intelectualidade,
Suas opiniões rotuladas como insanidade,
“E agora JÔsé?”

Felipe Hudson