Depois que a guerra acabar,

Não poderei mais fazer coisas de criança,

As balas de goma nunca mais serão doces,

As balas recheadas de pólvora nunca me deixarão esquecer seu gosto metálico.

Quando a guerra acabar,

Se um dia acabar,

Não terei mais amigos para contar,

Tão pouco terei histórias,

Porque não as quero lembrar.

Se a guerra acabar para todos,

Se eu estiver entre os que sobraram,

Talvez não respire aliviado,

Talvez só respire se for alvejado,

O último suspiro de um corpo cansado,

Aos Doze anos já velho,

Repleto de lembranças dolorosas,

Perdas, sofrimentos,

Nenhuma conquista além da sobrevivência diária,

Uma vida arbitrária,

Quando a guerra acabar quero apenas o silêncio,

E um mergulho no mar.

 

Felipe Hudson