A chuva gelada acaricia meu rosto,

Agradável,

Suas gotas escorrem por minha face,

Algumas prendem-se em minhas sobrancelhas,

Outras desviam pelo contorno dos meus lábios,

Não me incomodam!

Percebo que o molhar não incomoda e sim os olhares que não compreendem o banho de chuva,

Não é a camisa colada ao corpo que atrapalha,

São os julgamentos em relação ao estado de minhas vestimentas,

É o quebrar de regras que incomoda os olhares pasmos,

É o terno ensopado,

A gravata pingando,

O infringir de regras,

O atentado a tradição!

Afrontar a mesmice os olhares condenatórios não aceitam,

Os raios por eles dirigidos são mais letais do que qualquer descarga elétrica,

Mas sigo meu caminho pingando,

Deixando rastros de otimismo.

 

Felipe Hudson