Mendigando atenção,

Nós não! Eles!

Invadem nossas casas sedentos por vingança,

Não toleram a derrota,

Tão pouco toleram nossa presença,

Deitados em frente ao São Luiz somos enxotados,

Quando percebidos.

Assim como lidam com baratas, lidam conosco,

Tem asco, tem medo, mas querem que abandonemos nossas casas.

Querem suas ruas de volta,

Querem colocar seus carros!

Não nos aceitam na Paulista,

Expostos, à vista,

Querem nos ver escondidos,

E agora invadem nossas casas aos domingos,

Amarelos como doentes, febris e cegos pela derrota das urnas,

Verdes por falta de amadurecimento pedem a volta da ditadura,

(Que com eles não foi dura)

Mas que exterminou muitos ideais, muitas pessoas, caras legais.

A caminha de domingo é clara!

Brancos em sua maioria, elite vazia acompanhados da “pseudo-burguesia”, que ás vezes varia, e causa avarias.

Não querem mais nosso mau cheiro, nossos delírios e devaneios,

Mas nos entubam os deles!

Sem opção,

Arrasto minha cama sem direção,

Com todo cuidado mesmo que para eles seja apenas papelão,

E nesses dias nem o céu é azul.

 

Felipe Hudson