Talvez nem todos tenhamos talentos,
Reconhecidos talentos que acelerem os longos processos da vida,
Nem todos seremos protagonistas,
Às vezes coadjuvantes,
Mas na maioria dos casos meros figurantes,
Sem troféus em estantes,
Apenas transeuntes em uma viela qualquer,
Um caminho estreito que alguém desenhou para nos ver passar a pé,
Desfilar não! Desfiles não são para quem quer,
Só caminhar mesmo,
Por vezes correr,
Em um local ermo!
Sem sábios conselhos,
Sem treinamento,
Apenas obrigações,
Condenados a caminhar até cansar,
Com corpos a se esbarrar e escorar para reclamar,
Caminhar a até as pernas não resistirem,
Até os joelhos dobrarem,
Caminhar na areia,
Até a mente nos iludir que este é o caminho certo a seguir.
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson