Somos como um HD Externo esquecido em um armário,
Acumulamos diversas informações,
Conhecimentos breves e que pouco aplicamos,
Por fim não compreendemos,
Alguns arquivos se corrompem com o tempo,
E nos acostumamos a automatizar,
Vivemos processos mecânicos.

Caminhamos até nossas garagens,
Adentramos nossos carros e giramos as chaves,
Alguns pisam o pedal da embreagem,
Outros nem mesmo isso fazem.

Nos deslocamos para nossos trabalhos,
Geralmente nas mesmas posições e funções,
Um eterno repetir que faz de “Tempos Modernos” um eterno remake,
Apesar de remake um blockbuster,
Mas não percebemos,
Nos falta compreensão,
Faltam novas ações,
Nos falta legitimidade!

E como é inebriante e entorpecente viver sobre o feitiço do tempo!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson