Com pouco esforço da indústria cultural,
Hitler pareceria em uma película como um cara não muito mal,
Talvez chegássemos a tê-lo como incompreendido,
Bastava um figurão assumir o personagem vivido,
Em um ou dois capítulos estaríamos todos nos aproximando fraternalmente de qualquer ditador,
Não sei explicar esse torpor,
Desliga-se o raciocínio,
Omite-se a capacidade de julgamento,
(Que nunca foi das melhores)
Em poucos momentos, pronto!
Estamos torcendo por bandidos, traficantes, corruptos,
E seja lá mais qual personagem no dilema entre o bem e o mal,
E tudo culpa da indústria cultural!
Cultural?
Seja lá o que isso signifique…
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson