Vi um cara saltar de uma janela,
Não seria nada grave se eu não o conhecesse,
Sim não culpe minhas palavras,
Não são pesadas,
Não conhecendo o saltador,
Meu dia não mudaria em nada,
Não haveria alma aflita,
Não temeria almas penadas,
Mas o que intrigou no saltar foi o despropósito de aquela vida abandonar,
Sem motivos aparentes,
Com parentes próximos a lhe bajular,
Uma carreira curta, mas com muito a se orgulhar,
E com uma sacada como aquela,
Por que ele foi saltar?
Tanta carne para queimar,
Tantas cervejas para tomar,
Olhando o pôr do sol,
A vizinha a se banhar,
Pensando bem,
Nunca vi o defunto por lá!
Nunca vi aquela sacada aproveitar,
Teria comprado a varanda gourmet apenas para se suicidar?
Espero que sim,
Pelo menos faria algum sentido!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson