Passo meus dias vendo os dias passar,
Às vezes vagarosos, como a mais dura penitência,
Por vezes passam ligeiro como a sorte geralmente passa em nossas vidas,
Sinto raiva de quem um dia condenou este estilo de vida,
De ver o dia passar sem sentir comichão,
Quem inventou essa história de sermos todos produtivos?
De não podermos nos entregar ao ócio criativo,
Não sei qual o pecado em uma vida passiva,
Qual o problema em pensar sem agir?
Apenas pensar e produzir conflitos internos,
Quem inventou, planos, metas, ternos?
Quem inventou chefe e subalterno?
O dia está quase terminando,
Hoje foi tranquilo,
Entre rios de imagens,
Lindas histórias,
Recomeços e temporadas,
Algumas poucas risadas e a paz pedida em oração,
O amanhã?
Esperarei sentado…
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson