Tamanha oportunidade nos foi dada,
E por vezes deixamos passar despercebida,
As alegrias, as amizades e os prazeres da vida,
Soterrados em afazeres, clicks, e-mails, postagens,
Sonegamos um olhar para a paisagem,
E desatentos,
Perdemos de vista o melhor desta viagem única,
As pessoas, os sorrisos, os abraços apertados, o brilho dos olhos,
A embriaguez causa por muitas risadas, a troca de sentimentos,
A história que construímos a cada dia,
E nessa história o que menos importa é o final,
Estes todos nós conhecemos,
Importa se deliciar com cada página, com cada figura,
Com cada linha escrita, com cada personagem,
Importa virar a página com carinho e guardar no peito essa história,
História que mesclará com outras e gerará novos livros,
Não importa se serão contos, poesias, romances, longos ou curtos,
Só importa escrever bem,
E para escrever bem tem que se escrever sobre o que se gosta,
Uma história linda como aqueles livros que deixam saudade já perto do fim!
Quando perto da morte,
Quero ter o prazer de sentir saudade,
Pois tal sentimento tão perto da morte,
Talvez signifique que tive sorte durante a longa estadia,
Quero a saudade bem próxima e distante a covardia,
E antes que alguém diga que este pensamento é bobagem,
Não é nenhuma molecagem e sim um sentir-se agradecido,
Pois diante da única certeza que é um dia estarmos mortos,
Morrerei agradecido por um dia ter vivido.
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson