Não me recordo ao certo quando ocorreu,
Mas estranhamente o outono coloriu,
Antes exaltávamos a primavera, todas suas flores e cores,
Andávamos admirando arvores frondosas,
Os jardins repletos de rosas,
Algumas roseiras eram altas e perfumadas,
A primavera era a prévia de um verão com sol radiante e promessas de amor,
E o outono?
O outono era apenas um chão repleto de folhas,
Secas, caídas, os galhos abandonados, as flores perdidas,
Mas os tempos mudaram,
A tecnologia nos cobriu com celulares,
Nos perdemos em aplicativos,
E em alguns anos o outono coloriu,
Com o chão repleto de flores,
Com os olhares voltados para o chão,
Passamos a admirar o outono,
Pelo simples prazer de não levantarmos nossos rostos para mantermos os olhos abertos ao mundo digital,
O inverno era aguardado apenas pelo frio,
Período que nos proporcionaria enrolar em cobertas em uma noite fria com nossos celulares,
O verão, como a primavera, perdeu sua cor,
O sol atrapalhava as imagens nas telas,
Imagens em alta definição, quase reais,
O calor impedia uma boa digitação,
A cabeça se tornou imensamente pesada para ser levantada apenas para admirar,
Pesados como os olhares impossíveis de se trocar,
Trocas apenas por aplicativos de celular,
E de click em click, de curtida em curtida, de postagem em postagem,
Ninguém percebeu, pouco se viu,
E foi assim que o outono coloriu!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson