Se por apenas um dia,
Uma gota contrariada,
Decidisse que não cairia,
Sentindo-se desprestigiada a chuva abandonaria,
Será que sua falta esta chuva sentiria?

De súbito talvez não notasse,
E imaginasse,
Que apenas uma gota saudade não deixaria,
Pobre chuva!
Sendo assim,
De sua própria existência não entenderia,
Quem sabe se este comportamento outras gotas contagiaria?
E a flor sedenta que aquela gota abençoaria?
Em meio a tanta sede, seria ela somente uma gota sem serventia?
Ou participaria de algo maior que em sua existência não percebia?

Em minha mente tamanha confusão fez com que uma duvida persistisse,
Pode ser que sem a chuva a gota não existisse,
Mas acaso existira chuva se as gotas se consumissem?
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson