Todos eram amigos,
Até que surgiu o amor,
O desamor,
O dissabor,
Perdeu-se a liberdade,
Surgiu o dinheiro,
(Surgiu como objetivo)
Surgiram os herdeiros,
E novamente se perdeu a liberdade,
Criaram-se dependências,
Perdeu-se a paciência,
Perdeu-se a liberdade,
Todos envelheceram,
Na expectativa de serem fortes,
Todos se fragilizaram,
Fragilizadas foram as amizades,
Os olhos abertos para a verdade,
Sufocaram a amizade,
E perdeu-se a liberdade,
E em um processo contínuo de desigualdades,
Aqui jaz a amizade,
Que nunca existiu de verdade,
Por que nunca houve liberdade,
Tão pouco houve sinceridade,
Tão pouco verdade,
Tão pouco!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson