Abre-se os olhos e avista-se muito cinza,
Pedras e concretos mostram que ali não há espaço para ilusão,
Tudo será concreto,
Duro, áspero, acinzentado,
Como cimento queimado,
A imagem é esfumaçada,
Coberta de distrações,
Mas todas reais,
Todas concretas,
Quando se nasce na realidade,
Longe de belas paisagens que lhe faça sonhar,
Distante do verde, do azul, do vento e do sopro de liberdade,
Quando sua cidade é real,
Quando desde cedo ela lhe apresenta o mal,
(Múltiplas vezes mais frequente que o bem),
Quando ela contesta o maniqueísmo não havendo tal bem,
Não significa que não haja o mal,
O cinza encobre o céu,
Os pássaros não têm cor,
Inclusive as pombas raramente são brancas,
Não há paz!
Você está em São Paulo!
E na porta de sua maternidade estava escrito:
“ Aqui jaz! ”
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson