Tocava os lábios com estranheza,
Um misto de medo e desejo,
A expectativa de sentir o perfume,
O medo da química invadindo o corpo,
Os efeitos físicos e psicológicos,
A tontura à primeira vista,
A dicotomia entre o prazer e o proibido,
Com sol ou chuva,
As escondidas ou escancarando de vez,
Queimavam seus encontros,
Eram quentes como brasa,
Ao redor tudo mais eram cinzas,
Mas os abandonos constantes transformaram os sentimentos em fumaça,
Sufocavam as trapaças,
A neblina de mentiras,
O amor se esvaindo como um cigarro que queima aos poucos,
As vezes em tragadas,
Outras vezes em ventos e devaneios desatentos,
Mas como um fumante inveterado,
Que traga a morte a cada trago,
Desconsiderando o estrago causado em seus pulmões,
Ou o incômodo nas multidões,
Assim ela tragava o amor,
Com desejo, desespero e desapego,
Esquecendo do seu bem-estar,
Até que um dia se cansou das tonturas,
Das torturas,
Do corpo fadigado,
Do cheiro da morte,
E então desistiu de fumar,
E de amar.
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson