O filme era lindo,
O casal se amava,
Mas acabou a pipoca,
Então se separaram.

Digladiaram pelo último milho mal estourado,
Houve fúria, lamentos e acusações,
Até mesmo o balde de pipoca foi dividido,
E mesmo que perdesse seu sentido,
As partes do balde foram mantidas como verdade.

Para as metades procurou-se utilidade,
(Mas nunca foram encontradas),
O todo era um balde,
O balde recebia pipocas,
E o amor era compartilhar,
Nunca dividir!

E quando a pipoca deixou de existir,
O melhor seria rechear o balde de boas lembranças,
Dos dias em que estava repleto de pipoca,
Recheá-lo de esperança,
E aguardar por outra fornada,
Ou seria panelada?
Quem sabe pipocada?
Mas teria sido melhor esperar…
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson