Alguns “superdotados” ou “superantenados” descobrem a cada quatro anos a tal alienação da copa. E após esta “descoberta incrível” começam a criticar todos os cidadãos que curtem a Copa do Mundo, que torcem para seleção (ou contra ela).

Falam que todos que torcem esquecem as mazelas que o país vive e “mimimi” e “mimimi”. Surge então a história de que todos que gostam de futebol acreditam em “pão e circo” e tudo mais…

Me pergunto se estas pessoas tão espertas que identificaram esta grande utopia que é a Copa do Mundo, não poderiam descobrir outras formas de alienação em seu cotidiano? Se de repente pagar escolas caras para os seus filhos todos os meses, e deixar as escolas públicas se acabarem não seria uma forma de alienação, se andar nos seus carros caros e morar nos seus condomínios fechados enquanto mais de 60% da população sofre em transportes públicos miseráveis e moradias precárias não é alienação, se sonegar impostos em suas empresas e esperar um país melhor não é alienação? Se viajar em pacotes de conheça 8 países em 18 dias não é alienação?

Sem contar as alienações consumidas diariamente: Netflix, Jornal Nacional, Novelas, Jovem Pan, Carta Capital, Veja, Facebook…e todas as alienações que utilizamos como ferramentas de “divertimento”.

Se o problema da alienação nacional ocorresse apenas de quatro em quatro anos, e durasse apenas um mês como a Copa do Mundo seríamos muito felizes! O problema é que o Brasil é um país cheio de alienações duradouras e individualismos, talvez por isso a gente busque de quatro em quatro anos fingir que somos uma nação unida e gritarmos por um único motivo, ainda que seja o futebol!

Então me deixa torcer…e me deixa me perder em alienações conscientes, pelo menos por um mês!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson