Embora não soubéssemos,

Aquela foi nossa última partida de futebol,

Foi há mais de vinte anos,

Não lembro se foi legal,

Éramos todos jovens,

Não havia bom ou mau,

Havia futebol descalço, tubaína e cigarro “mentol”,

Jogávamos todas as tardes,

Com regras pré-definidas,

Não havia mentiras e verdades,

Só normas à serem seguidas.

O dono da bola jogava primeiro,

Mas sua vaga não era garantida,

Se não se garantisse na bola,

Era certa sua saída,

Ninguém queria ficar de próximo,

Todos queriam fazer fila,

Naquele momento a Copa do Mundo,

Era no portão da escola da vila.

Gostávamos de jogar na rua de terra,

Quando asfaltou ninguém mais jogou,

Gostoso era sentir o barro gelado,

Ou o pó que nos pés agarrou.

Hoje o time não está mais completo,

Alguns prosperaram,

Outros não estão mais por perto,

Alguns subiram de vida,

Outros subiram sem vida,

Mas eu teria jogado uma prorrogação,

Se soubesse que seria a última partida!

.

.

.

.

.

.

.

Felipe Hudson