Suas ilusões eram tão belas,
Que do mundo se afastou,
Mas por vontade própria,
Preso em suas ideias ficou,
Ignorou a realidade.

Seus sonhos lhe pareciam mais prudentes,
Belos e presentes,
Preferiu o doce das relações imaginadas ao sentimento de frustração e impotência,
Perdeu a paciência,
E quem o julgaria?

Havia respeito entre suas personagens,
Melhor do que a dita realidade,
Sua vida tinha qualidade,
Dignidade,
Tratava-se de um autogoverno,
Não existiam confusões em seu mundo,
Tampouco seu mundo existia!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson