Eu nunca optei por seguir um modelo de vida,
Nunca soube o que eu realmente gostaria de ser,
Não me espelhei em ninguém como modelo,
Mas sempre soube exatamente o que eu não queria ser na vida!

Nunca segui um modelo do que eu queria ser,
Mas a vida toda eu soube o que eu não queria ser!

E hoje ao acordar,
Ao abrir os olhos,
Fazer minhas costumeiras orações,
Lavar meu rosto,
Amassado,
Oprimido pelo travesseiro,
Ao tomar o café amargo,
Aquele que nunca adoça,
Ao fazer a costumeira troça com meu destino,
Voltei ao espelho,
Olhei no fundo dos meus olhos,
E disse:
“ Ainda que eu não seja ninguém,
Já sou melhor por não ser como eles! ”
Porque eu sei exatamente o que eu não quero ser,
A vida toda eu sempre soube!
Peguei minha jaqueta e saí,
Feliz por mais uma vez ser parte da “minoria”,
Feliz por estar em boa companhia,
E quem sabe ao fim do dia eu até sorria,
Mesmo que por ironia,
Ou por deboche,
Pela alegria de não ser fantoche,
Por não acreditar na “mãe de poste”,
Por simplesmente saber o que não quero!
.
.
.
.
.
.
.
Felipe Hudson