Ouvindo 2Pac,

Fumando um beck,

Tomando um goró,

Fugindo do pó,

Destino para quem nasceu abandonado,

Sob os olhos cegos do Estado,

Soterrado em realidade,

Brincando de viver a verdade,

Sem espaço para a imaginação,

Competindo pela vida,

Desprovido de Educação,

Saúde nunca viu,

Segurança só como profissão,

Pra rajada de balas perdeu o pai,

Para as pedras de crack perdeu o irmão,

Sem solução!

A mãe desamparada,

O filho sem condição,

LGBT discriminado,

Queria ser a Rogéria,

Mas partiu para prostituição,

Por falta de opção,

Fecharam-lhe as portas,

Foi parar lá na República,

Democrática em sua condição,

Lá ninguém é dono de nada,

Abandonados em frente a educação,

Na praça de histórias tristes,

Dinheiro é a perdição,

Ou tem para ser alguém,

O se vive na exclusão,

Não existe ambição,

Ou faz o corre pra comer,

Ou morre de inanição,

Sem proteção!

Só do Santo e às vezes do cafetão,

Farda só para perseguição,

Amor apenas na contramão,

Aquele que colide, agride, ou fica só na imaginação,

Noites em claro,

Amigos raros,

Sem preparo!

Sem massagem,

Nos muros sentados,

Olhando a paisagem,

Como quem olha miragem,

Desprovido de atenção,

Invisíveis como cidadão,

Em frente a Secretaria Estadual da Educação.

.

.

.

.

.

.

.

Felipe Hudson