Bom dia melancolia,

Cabeça sempre cheia,

Vida vazia,

A casa repleta de ecos,

Os ecos repletos de companhia,

Pensamentos pulsantes,

Sem ousadia,

Paz passageira,

Da melancolia,

Depressão faceira que se irradia,

Invade casas e apartamentos,

Contamina,

Faz pouco da dopamina,

Espalha-se brutalmente,

E lhe toma muito mais do que a mente,

Lhe contagia,

Contamina sua vida com letargia,

Não ages mais como agia,

Seus próprios pés não mais guia,

Às vezes por adoecer,

Outras vezes por protesto,

Banzo,

Não caminhar pelo próprio sistema,

É atuar contra o sistema,

Não produzir energia,

Morrer em plena vida,

Contrariando as regras definidas,

Um sacrifício pela própria existência,

Sinal de discordância,

De quem decidiu não viver a infância,

E foi tomado pela arrogância,

De não possuir ganância,

Sobram-lhe palavras,

Faltam-lhe ouvintes,

Sobra-lhe revolta,

Falta-lhe requinte,

Sobra-lhe paciência para andar de cara fechada,

Apenas para discordar,

Somente para curtir seu banzo,

E a saudade de nenhum lugar!

.

.

.

.

.

.

.

Felipe Hudson