Em um país emergente,

Repleto de pessoas bem-intencionadas,

Houve tempos de glória seguidos de derrocadas,

Era como viver em uma montanha-russa,

Subidas arrastadas e quedas velozes,

Vez ou outra um looping,

Todos acreditavam que trocariam os papéis,

Mas não era verdade,

Era apenas um simples frio na barriga,

Depois retornavam as velhas medidas,

Subidas arrastadas na espera das temidas descidas,

Um círculo interminável de voltas na tal montanha-russa,

Por vezes alguém tentava pular do carrinho,

Alertar seu vizinho,

Mas nada fazia efeito,

Rolava mais um looping,

Uma passagem em um túnel estreito,

E lá estavam todos na mesma posição,

Os primeiros e privilegiados e os últimos do vagão,

Privilegiados por não terem cabeças a sua frente,

Mas vendo a mesma cena continuamente,

Subidas, descidas, looping,

Alguém despenca do carrinho,

Outros eram jogados para fora,

Ninguém sabe onde caiam,

Sabiam apenas que foram embora,

E agora?

Mais um looping,

Te conto outra hora!

.

.

.

Felipe Hudson