O rebaixamento do Cruzeiro nos permite refletir sobre a situação do país. Tal qual o Brasil o time do Cruzeiro sofreu ao longo deste ano com uma gestão deplorável, envolvida em escândalos, suspeitas de crimes, e total inabilidade para comandar a equipe. Muitos torcedores insistiram no discurso do “time grande não cai”, cegos em relação a condição do time. Não acreditando que após anos de conquistas o rebaixamento seria o seu destino seguiram firmes em sua ignorância. Assim como muitos brasileiros, parte dos torcedores fecharam seus olhos para o óbvio, para o fato que o caminho seguido os levaria ao precipício. Hoje o Cruzeiro provou o sabor do rebaixamento, assim como Fluminense, Botafogo, Vasco, Palmeiras, Grêmio, Corinthians, Internacional e Atlético um dia provaram, e mais uma vez foi derrubada a máxima do “time grande não cai”, caiu, assim como nosso país também cairá se continuar nesse caminho incerto, com um governo patético e arrogante. E talvez quando quebrarmos o país, seja por inércia ou por participação nesse delírio, indignados cometeremos as mesmas violências cometidas pela torcida no fim do jogo, com consequências ainda maiores, mas só nos restará a segunda divisão da política mundial ou talvez a terceira.