O que fazer quando os caminhos são sempre diversos?

Onde vivemos dispersos em amores parcos,

Como viver sem uma única reta, uma única escolha certa que me poupe das crises de ansiedade?

Como sobreviver às grandes cidades?

Como se sentir à vontade estando perdido, oprimido?

Reprimido por ruas estreitas e grandes labirintos.

Não tenho certeza se a felicidade existe,

Nem mesmo em “uma trilha estreita em meio a selva triste”,

Talvez ela simplesmente não exista!

Talvez seja a vida um simples joguinho de encontrar caminhos, como aqueles que fazíamos nas revistas!

“Leve a Chapeuzinho até a casa da vovozinha”,

“Escolha o melhor caminho”,

E sempre haverá um lobo mau,

Sempre haverá um outro final,

Diferente do contado por seus pais,

A vida é mais para Irmãos Grimm,

Noventa por cento bebe cachaça fingindo que faz parte da turma que toma gim,

Sempre foi assim e sempre será,

Não adianta pensar que o “coronavírus” igualará,

A conta será sempre cara,

E serão sempre os 90% que irão pagar.

 

 

Felipe Hudson