Nunca pensei se teria talento,

Apenas escrevo,

Espalho minhas palavras ao vento,

Espero que um dia as encontrem,

E no mesmo pacote estarão meus sentimentos.

Jogo minhas poesias no ar,

Como garrafas jogadas ao mar,

Com mensagens que alguém um dia poderia encontrar,

Que talvez façam sentido para quem as lê,

Ou sejam deixadas em um canto qualquer,

Espero apenas que não naufraguem,

Mas não lhes determino o destino.

Lanço minhas palavras assim como elas me chegam,

Ligeiras, rasteiras e sufocantes,

As lanço porque não consigo mantê-las em minhas gavetas ou estantes,

Preciso compartilhá-las com o mundo,

Embora meu mundo não seja ninguém,

Ou exista gente demais que não cabe no meu coração.

Preciso apenas escrever corrido,

Sem pensar e nem sufocar sentimentos,

Preciso aproveitar o momento,

Lançar minhas garrafas ao mar e torcer para que as ondas sejam grandes,

Que as garrafas sejam fortes,

Mas que se abram com facilidade diante de um bom coração!

.

.

.

Felipe Hudson