O vento me trouxe uma lembrança boa agora,

De quando tudo era calmaria,

Mas nada era monótono,

O vento trouxe aquele cheiro de mato, sabe?

Aquele perfume de natureza, que você não define se é rude ou suave,

Trouxe aquele cheiro de vida, de erva, de verdura colhida,

Afastou todo cansaço e me trouxe aquela momentânea alegria.

.

Leveza, foi isso que o vento me trouxe,

Aquele despertar tranquilo, depois de uma boa noite de sono,

E essa brisa tem dono,

Esse vento foi um presente de minha mãe,

Porque ela é senhora dos ventos,

E não há de ver seu filho desesperançoso.

.

Esse vento trouxe aquele afago,

Aquele carinho gostoso,

E as memórias boas,

Coisa de mãe!

Acarinhou seu filho em uma quarta-feira,

Para mostrar que meu carinho e minhas lembranças são recompensados,

Me fez lembrar de uma felicidade simples.

.

Aqueceu meu coração com uma brisa fresca em meio ao sol,

O vento me cobriu como um fino lençol,

E me deu esperança!

E o que mais precisa uma criança,

Além de um abraço, um beijo de mãe e esperança?

.

.

.

Felipe Hudson